Se você tem vontade de empreender, é ideal ficar por dentro das metodologias criadas para o mundo dos negócios. Dentre elas, o Produto Viável Mínimo, chamado de MVP, é uma das mais conhecidas para auxiliar no desenvolvimento de produtos e serviços. Essa técnica já ajudou empresas que hoje são gigantes como, Dropbox e Apple, a se consolidarem com seus produtos sem grandes investimentos iniciais.

Se você nunca ouviu falar em MVP, venha descobrir o que é e quais as vantagens de colocar essa estratégia em prática no seu negócio neste artigo da Frons!

Afinal, o que é o MVP?

MVP é a abreviação de Minimun Viable Product, no português representa o Mínimo Produto Viável. A tática resume-se em otimizar o uso de recursos e garantir o máximo de retorno. Na prática, seria a criação de uma versão enxuta, com o mínimo de funcionalidades, de um produto ou serviço. O protótipo seria disponibilizado no mercado para um grupo de clientes para compreeender se ele de fato soluciona o problema que foi proposto.

O MVP valida a ideia inicial de uma startup e revela se aquela era mesmo uma necessidade do mercado, se era algo ilusória ou apenas precisa de ajustes par um resultado positivo.

Quais são as características de um Produto Viável Mínimo?

O MVP é criado para acelerar o processo de lançamento de um produto ou serviço, pulando algumas etapas de desenvolvimento para descobrir se vale a pena ou não injetar maiores investimentos naquela ideia. Entre as principais características de um MVP, podemos destacar:

  • Ter valor suficiente para que a sua comercialização seja viável;
  • ter funções e benefícios suficientes para suprir alguma necessidade do mercado e dessa forma, fidelizar clientes;
  • promover um ciclo de feedback dos consumidores para orientar o desenvolvimento da versão final do produto ou serviço.

Por que o MVP é importante?

O Produto Mínimo Viável é muito importante para auxiliar no seu negócio. A partir dele é possível avaliar riscos e prever fatos que poderiam acontecer após o lançamento do produto completo no mercado. Além disso, um protótipo necessita de um investimento inicial menor. Com isso você evita perda de tempo e dinheiro além de reduzir os riscos do mercado. Por fim, um MVP promove aproximação com o seu cliente final. Se a experiência com o seu produto for positiva e a voz do cliente for relevante para o seu negócio, as chances dele comprar com a sua empresa e não procurar a concorrência é maior.

É muito comum ouvirmos falar dos negócios de sucesso, mas quantos não fracassaram ao tentar lançar uma nova ideia? Com a constante mudança no mundo empresarial, principalmente para a área da tecnologia e inovação, as empresas têm que lidar com as tentativas e erros para acertar um alvo promissor. Dessa forma o MVP aumenta as chances de sucesso do negócio, pois ao disponibilizar seu uso e coletar os feedbacks dos clientes é possível promover ajustes para a versão final.

Como criar um MVP para meu negócio?

Primeiro vamos deixar claro que um MVP não está ligado a entregar um produto com baixa qualidade no mercado. Está relacionado a um produto que representa a versão final com o mínimo necessário para atender o proposto. Se você está em dúvidas como começar a criar o Produto Minimamente Viável, confira alguns passos:

Passo 1 – Definir uma proposta de valor

Uma proposta de valor significa que ela irá atrair a atenção do mercado e, portanto, gerar renda para o seu negócio. Lembre-se de construir algo simples e contenha o perfeccionismo nesta etapa. Foque no básico e no que será atrativo para conseguir validar as suas hipóteses. Detalhes complementares, como design, formato, cores serão secundários nesse momento.

Passo 2 – Testar a resposta do mercado

Após projetar o MVP que atenda a sua proposta de valor, é hora de analisar o mercado e entender como a inserção desse produto no meio justifica o investimento. Aqui será a hora de analisar qual foi o nível de receptividade do público para a sua proposta e identificar os pontos de melhoria. É possível validar a ideia de diferentes formas: disponibilizando o produto para um determinado público ou para o público geral. A escolha vai depender do tipo de negócio.

No caso do lançamento de um software, por exemplo, pode haver problemas inesperados em função da alta demanda, então é recomendado fazer um uso inicial controlado. Já para um food truck, é possível fazer um lançamento geral na área que se pretende vender.

Passo 3 – Analisar feedbacks recebidos

Após o teste do MVP no mercado e receber feedbacks dos clientes, esta é a oportunidade para ver o que pode ser melhorado após a experiência do consumidor com o seu protótipo. Nem toda opinião ou sugestão tem que ser considerada, algumas podem não fazer sentido para o seu modelo de negócio ou ideia inicial. Após esta etapa avalie se seu produto precisa de mais testes após os ajustes necessários ou se já tem condições de avançar para a versão final.

Alguns erros para não cometer ao criar um MVP

A proposta do MVP é ótima para qualquer negócio, mas existem algumas armadilhas que podem prejudicar a sua criação, confira:

  • Demorar para projetar o MVP: agilidade é essencial no mundo dos negócios, especialistas indicam que uma startup leva em média 3 semanas para construir este produto;
  • ser perfeccionista: o MVP busca uma melhoria contínua, não tem como criar algo perfeito na versão teste, aliás o produto final também pode não ser perfeito. É preciso ter bom senso.
  • se preocupar com o layout: a principal preocupação que você deve ter com um MVP é com a sua funcionalidade. O design, cores, fontes são características secundárias;
  • incluir um público muito grande: selecione o público alvo para testar o MVP para que as sugestões de melhorias sejam mais eficientes e assertivas.
  • testar por um período muito longo: com diversas soluções surgindo a todo momento, testar o MVP por um tempo grande pode não ser uma boa estratégia. Você pode ter dificuldades em recolher feedbacks e seu produtos ficar esquecido ou ser considerado uma versão inacabada.

Se acaso seu MVP indique que sua ideia não é boa para o mercado, o empreendedor pode concluir que seu projeto não vale a pena ou que o público escolhido não entendeu o seu produto. Dessa forma, seu esforço pode ser direcionado para outra ideia ou testar o seu MVP para outro público-alvo. A ideia de todo esse processo é essa mesmo, realizar testes!

Se você gostou de saber mais sobre MVP e quer continuar estudando mais sobre estratégias para satisfazer os seus clientes, confira o post: “O que é lean thinking? Saiba como ter clientes mais satisfeitos“. Continue acompanhando o blog da Frons para acessar mais conteúdos como este!

Autor

Autor de 2 livros publicados: "Lean Six Sigma: O guia básico da metodologia" e "101 Dúvidas sobre Lean Six Sigma". É formado em Engenharia Mecânica pela Universidade Estadual Paulista - UNESP. Estudou Business and Process Management pela University of Arkansas - EUA, direcionando sua especialização em Lean Seis Sigma. Professor de empresas como BRF, Plasútil, Usiminas, Petrocoque, Avon, Mondelli, UNESP, JohnDeere e de mais de 35.000 alunos na comunidade online. Com mais de 26 mil certificados emitidos, é CEO da Frons, uma plataforma focada em melhoria contínua e gestão de processos.